Em Agosto deste ano, passei pela rica experiência de fazer uma Oficina com Sheila Nogueira, uma guia montessoriana, em um evento organizado pela Escola Montessori de Santos.

Depois de manusear, acompanhar a demonstração e ouvir as explicações da guia sobre alguns dos materiais mais utilizados no Método, pude entender por que eles são mesmo para a escola e não para casa. Definitivamente, eles não são brinquedos.

A demonstração do material é quase uma arte. Só um adulto preparado, pacífico, sedutor e humilde pode realizar esse trabalho com maestria. É preciso ter muita experiência em observação para reconhecer quais necessidades se escondem por trás de cada comportamento, respeitar o tempo de cada criança. Vai muito além de conhecer uma tabela de período sensíveis, embora, ela tenha também a sua importância.
As estantes têm uma ordem e tudo na sala tem um sentido. É preciso saber em que sequência apresentar, quando apresentar, como apresentar. Identificar quando a criança precisa voltar um pouco ou avançar mais.

Eu nunca tive material em casa, porque são caros e sempre que eu pensava em investir neles me lembrava das palavras de Gabriel Salomão: em casa a casa basta!

Penso que Gabriel tem mesmo razão. Então agora, mais do que nunca, eu queria ouvi-lo.

Mas, isso é uma outra história.